Qual o sentido da sua vida?

Qual o sentido da sua vida?

On Novembro 10, 2014, Posted by , In Sentido da Vida, By ,,, , With 3 Comments

Você já deve ter se perguntado em vários momentos. Eu me pergunto sobre isso constantemente. Não é uma pergunta fácil de responder. Para que viemos a este mundo?

Por Arno Duarte

Talvez para ganhar dinheiro e ter uma família. Ok, mas apenas isso não me completa, ainda tenho dúvidas. É pra isso mesmo que eu estou aqui? Porque eu acordo todos os dias de manhã? Qual a minha função neste mundo?

Pode parecer “viajandão” demais, eu achava viajandão demais, até por este motivo eu nem pensava sobre isso. Achava que eu estava me questionando à toa, reclamando de barriga cheia. Até que percebi que não era um pensamento tão à toa. Comecei a conversar com pessoas a respeito, e vi que outros também tinham as mesmas dúvidas, faziam as mesmas perguntas! Eu não era o único!

Importante começar falando que o que importa aqui é o sentido da SUA vida. Pode ser diferente para cada um de nós! Somos moldados pelo sistema educacional e desde que entramos na escola já sabemos o roteiro da vida. Estamos marcados para estudar na pré-escola, no ensino básico, ensino médio, tirar carteira de motorista, estudar pro vestibular, fazer vestibular, entrar na faculdade, fazer estágio, se formar, encontrar um emprego, alguns buscam programas de trainee, fazer MBA, pós, mestrado, se casar, comprar carro, comprar casa, viajar pra Europa, ter filhos, formar os filhos, e repetir o ciclo.

Somos fabricados desde a escola até as linhas de produção das empresas para fazer o mesmo que os nossos pais, nossos avós e assim em diante.

Quando estamos nesta máquina, nesta engrenagem é muito difícil de parar… RESPIRAR… e se questionar sobre o que estamos fazendo aqui. E é difícil se questionar porque quando a gente se questiona, a resposta pode doer. Podemos nos dar conta que já vivemos 30 ou 40 anos sem um sentido, sem algo maior que nos motive a estar neste mundo.

Calvin na escola_ o sentido da vida
Tá, eu estou fazendo um monte de perguntas e você deve estar querendo saber, qual o sentido da minha vida? Eu explico…

Quando parei pra refletir sobre isso lembrei inevitavelmente de quando eu era criança e queria ser jogador de futebol, mais precisamente goleiro, ou cantor de rock. Eu era fã do Taffarel e de alguns cantores. As minhas experiências de vida até aquele momento associavam as brincadeiras de criança com profissões quando eu fosse adulto. Quer coisa melhor para um menino do que jogar bola com os amigos? Eu também gostava muito de música, de ouvir música, ficava viajando nas letras, cantando no chuveiro. Era tão gostoso. A vida da criança é de festa, brincadeira, leveza e liberdade! A associação imediata que eu fazia era de querer tornar aquilo a minha profissão no futuro! Aquilo preenchia o meu ser. Eu queria ser um profissional daquelas brincadeiras!

Mas ao longo da minha vida fui somando outras experiências, tendo outras inspirações, outros ídolos, mais referências… Só que como falamos no início, fomos moldados para ser outra coisa. Nosso desejo de “ser” vai se apagando ao longo da vida. Aquela chama de ser da nossa essência diminui, mas nunca desaparece.

Aprendemos métodos ao longo da vida que nos levam ao TER e esquecemos do SER. A soma das nossas experiências agrega ao nosso SER, mas as ações e direcionamentos que damos a nossa vida nos leva na maioria das vezes ao TER.

Eu quero ter um cargo de gerente, quero ter uma equipe com muitos funcionários, quero ter um carro do ano, quero ter uma casa na praia, quero ter uma cobertura no bairro mais caro, quero ter muitos amigos no Facebook. Mas eu não quero ser o melhor amigo, não me importa a qualidade, e sim o número. Eu não quero ser um excelente gestor, eu quero ter um cargo de gestão a qualquer custo. Minha vida depende disso.

Volto para o meu caso. A soma das experiências ao longo da minha vida sempre me levou ao TER: ter uma casa, um carro, um emprego, a vida perfeita. Ter um MBA, graduação, ter as melhores notas. Só que chegou o momento em que me perguntei qual era o sentido da minha vida?

Foi quando eu virei a chave para olhar para o SER, quem eu sou, e quem eu quero SER. Eu quero ser este cara, quero ser alguém que desenvolve pessoas, que ajuda a construir um mundo melhor, eu quero ser protagonista de mudanças importantes, eu quero ser um bom pai, eu quero ser um amigo fiel e real, um namorado/marido presente, quero ser um líder inspirador, eu quero ser um homem de valores claros.

E não é ruim ter um objetivo de TER. Todos temos desejos de TER coisas, é óbvio, isso é bom também. Mas é importante entender que antes de você TER, você precisa SER. Voltando a minha experiência, eu passei a olhar a vida por esta perspectiva e para isso eu tive que me desenvolver.

Precisei reaprender a SER e a energia que me moveu para isso tudo foi o autoconhecimento. Por meio de processos de coaching, terapia, trabalhos em grupo, foi possível me conhecer, entender o que me motiva, o que me bloqueia, o que não me permite ser quem eu gostaria de ser. Somente a partir deste movimento de me descobrir, eu pude tomar as decisões mais voltadas ao meu coração.

Mafalda

Deixamos de olhar pro nosso ser e de acreditar no nosso coração à medida que somos criados para não confiar nos nossos instintos. Sofremos na infância com a troca do sentido das emoções. Dor, raiva, tristeza, alegria, etc, são reprimidas por nossos pais para que nos adaptemos melhor ao que a sociedade espera. Ao final, os reais significados das emoções se tornam confusos.

Com o amor é a mesma coisa. O menino abraça o amiguinho e dizem que é afeminado. A menina brinca com o menino, e dizem que deve brincar só com menina. Isso distancia as pessoas. O menino quer ser cantor e dizem que é coisa de drogado. Pintar não vai te dar dinheiro. Tudo isso são coisas que ouvimos e essa criação nos afasta do que faz o nosso coração vibrar.

Em nos afastando do que faz nosso coração vibrar, nos afastamos da nossa essência, da nossa FELICIDADE. O sentido da vida é a gente amar o que a gente faz. A gente estar conectado com nosso propósito, com nossa essência. A gente amar o que a gente quer ser. A gente confiar em nós mesmos, nos nossos sentimentos.

FAVOO É AMAR – COACHING É UMA FUNÇÃO DE AMOR

A Favoo é o que faz o nosso coração vibrar. Somos a construção de um caminho em direção ao que nos completa, ao que nos faz sermos melhores. E o sentido da nossa vida é compartilhar este sentimento e ajudar você a se conectar novamente com o seu coração.

Amar é uma entrega, é uma doação. Acreditar de olhos fechados, dar um salto sem rede de proteção. Amar é se entregar total para algo, ou para alguém ou para alguma causa, ou para nós mesmos, se entregar para nossos instintos.

Nós, da Favoo Desenvolvimento Humano, queremos oferecer a você um espaço, uma forma, um carinho, uma conexão. Queremos proporcionar estímulos para que você possa novamente se conectar com a sua essência e que consiga construir um caminho durante este processo para chegar ao seu resultado, no sentimento de amor, de paz de felicidade com suas escolhas, de plenitude e realização consigo mesmo.


ARNO DUARTE é coach e consultor organizacional na Favoo Desenvolvimento Humano. Adora o que faz, mas não deixa de se aventurar em peças de teatro, videoclipes, música, fotografia, meditação ou em qualquer coisa que estimule expressão e criatividade. Acredita que o sentido da vida é amar e se divide entre projetos pessoais e profissionais buscando a felicidade autêntica nas 30 horas do seu dia.

Curta e compartilhe

3 Comments so far:

  1. Scheila Giovana Araujo Renosto diz:

    Parabéns pela reflexão Arno! Você sabe destacar belas palavras…refletir sobre a vida é tudo!
    Abraço

  2. Eduardo Luis Thomé diz:

    Grande Arno, te desejo muita sorte nesta nova etapa. Vc é um profissional muito compentente e uma pessoa incrível. Grande abraço, Eduardo Thomé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *