Quanto é eu + vocês?

Quanto é eu + vocês?

Artigo publicado na revista About Shoes, em julho de 2015

Na busca incessante por resultado e sucesso, pensamos mais na competição do que na colaboração. Somos competitivos desde o ambiente familiar, passando pela formação escolar até as relações de trabalho. Lutamos uma guerra sozinhos e esquecemos que antes de tudo somos muitos, milhares, milhões, e que somados formamos um único organismo.

Por Arno Duarte

Somos o produto de uma soma. Em nossa origem, duas células se juntam e a vida surge, inexplicavelmente. Com o passar dos anos, nosso resultado se dá por outras operações matemáticas. Dividir passa a ser importante. Separar a minha parte do bolo, garantir uma fatia do mercado, dividir o lucro, subtrair despesas, reduzir esforços, cortar o elo mais fraco da corrente, até que se chegue ao último elo, que também será o mais fraco.

Pouco se soma hoje em dia. Fomos criados para sermos individualistas, com necessidades únicas, vontades singulares, e assim desbravamos nossos caminhos. Células solitárias em busca de um fazer sentido para elas mesmas.

Mas seres celulares só fazem sentido quando criam algo com outros seres, outras células. O crescimento só acontece quando algo se soma a nós, e se sozinho queremos evoluir, devagar vamos caminhar. A evolução se dá a partir de conexões externas, de experiências com o outro, de trocas, que na verdade são somas.

A natureza humana é de cooperação, porém o que vemos hoje em dia são esforços cada vez mais escassos de construção coletiva. Nos isolamos na individualidade de nossos pensamentos, dos nossos escritórios, dos nossos empregos, cada um cuidando do seu propósito.

E tudo bem ter um propósito individual, uma meta, um objetivo para chamar de seu. A pergunta é o que aconteceria se você compartilhasse essa vontade com outras pessoas? E se outras pessoas tiverem objetivos semelhantes e vocês puderem somar competências para atingir o resultado de forma coletiva?

Vejo muita gente com sonhos, vontade de fazer a diferença, mudar algo, transformar a vida das pessoas, mas diante da imensidão do mundo, se veem pequenos, frágeis e esmorecem frente ao tamanho dos desafios. Esquecem que ao se somarem a outras pessoas podem se tornar tão grandes quanto os obstáculos que querem transpor. Somados nos tornamos um organismo vivo maior e mais inteligente. Sozinhos, simplificamos nosso potencial e estacionamos nosso crescimento.

Meu convite é para que você pense em que momentos está somando na vida de alguém, ou se está permitindo que alguém se some a você.

O autoconhecimento é um dos caminhos para a construção desses espaços de soma, de troca. Ao buscar a compreensão de quem somos, de nossos medos e limitações, do que nos distancia dos grupos, é possível se relacionar melhor com os outros, promovendo confiança, respeito, transparência, generosidade, lealdade e amor pelo que se faz.

Trabalhemos então o que está limitando nossa habilidade de se relacionar, por um mundo com mais parcerias estratégicas, mais mentes conectadas, mais projetos colaborativos, mais somas de especialidades e de saberes, para que possamos compartilhar os resultados e sucessos da evolução em grupo.


Faça download do PDF da reportagem clicando na imagem abaixo:


ARNO DUARTE é coach e consultor organizacional na Favoo Desenvolvimento Humano. Adora o que faz, mas não deixa de se aventurar em peças de teatro, videoclipes, música, fotografia, meditação ou em qualquer coisa que estimule expressão e criatividade. Acredita que o sentido da vida é amar e se divide entre projetos pessoais e profissionais buscando a felicidade autêntica nas 30 horas do seu dia.

Curta e compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *