Ser feliz está na moda

Ser feliz está na moda

On Janeiro 12, 2015, Posted by , In Coaching,Felicidade,Protagonismo, By , , With 1 Comment

Artigo publicado na Revista About Shoes, edição de janeiro de 2015

Nunca antes na história deste País as pessoas se preocuparam tanto com a busca pela felicidade. Se no passado o dinheiro era a base do sucesso, hoje as necessidades são outras. Refletir sobre o quão feliz podemos ser agora é prioridade para escolhas de vida e carreira. E esta moda veio pra ficar.

Por Arno Duarte

A revolução pela felicidade é um fenômeno que vem despertando silenciosamente na consciência coletiva. Não existiu nenhum marco zero, ninguém precisou queimar roupas, nem caras pintadas foram às ruas. Em algum momento simplesmente passamos a questionar se a engrenagem “trabalho para gerar dinheiro para gerar consumo” era o único roteiro possível para a vida.

Pensar sobre a importância que damos ao dinheiro versus o custo em longo prazo na nossa qualidade de vida só foi possível graças aos esforços dos nossos pais e avós. Sim, foram eles que proporcionaram a estabilidade econômica e sustento das nossas necessidades básicas, o que nos permitiu ver a vida por outra lente. Diferente da época deles, a relação com o dinheiro hoje em dia é outra. Ainda precisamos garantir o leite das crianças, claro, mas estocar reservas financeiras e aproveitar a vida só depois da aposentadoria deixou de ser sinônimo de realização. Queremos estar felizes durante todo o filme, e não ter apenas um final feliz.

A sociedade atual não está mais em busca de reconhecimento financeiro. As pessoas são mais autoconfiantes e buscam uma satisfação quase que espiritual pelo que vivenciam, pessoal e profissionalmente.

Mas claro que felicidade tem um sentido para cada pessoa, portanto, esteja consciente e faça reflexões diárias sobre como está a sua felicidade nas pequenas atitudes da vida. Coloque a cabeça no travesseiro antes de dormir e pense sobre o seu dia, visualize as coisas que você fez e não gostou, ou os momentos em que se sentiu bem. Quando não percebemos como estamos nos sentindo, seguimos levando a vida como se tudo estivesse bom, e deixamos de agir em direção a algo que nos satisfaça.

Se você perceber que não está feliz em algum aspecto da sua vida, se pergunte: porque permaneço assim? Deixe de se conformar com a situação, seja ela qual for. Nenhuma escolha é eterna, por mais certa ou errada que tenha sido no passado. O presente é agora, e o futuro você constrói como quiser. Se algo não vai bem, está em suas mãos transformar o que quer viver em felicidade. A partir desta identificação, avalie um contexto mais amplo de vida, de necessidades, vontades, desejos, e então, trace um plano estratégico pessoal com objetivo de se sentir feliz por inteiro.

O caminho da felicidade está em manter o equilíbrio entre todos os aspectos da vida, sem nunca se esquecer de consultar quem você está sendo durante esta travessia. Mantenha em vista os seus propósitos e tenha consciência sobre as verdadeiras razões por que você faz todas as coisas que faz todos os dias. Escolha viver o tipo de vida que você quer viver.

Ser feliz é um estilo de vida que desafia o convencional. Se os seus passos estiverem sincronizados com o que te fez bem, a alegria em seu rosto e sua atitude vão projetar você para as realizações que merece.

Quando se está neste estado de espírito, você não só vive uma grande vida, mas também multiplica esta nova referência de sucesso para quem está a sua volta. E que coisa boa se este comportamento permanecer na moda por muitas e muitas estações.


Faça download do PDF da reportagem clicando na imagem abaixo:


ARNO DUARTE é coach e consultor organizacional na Favoo Desenvolvimento Humano. Adora o que faz, mas não deixa de se aventurar em peças de teatro, videoclipes, música, fotografia, meditação ou em qualquer coisa que estimule expressão e criatividade. Acredita que o sentido da vida é amar e se divide entre projetos pessoais e profissionais buscando a felicidade autêntica nas 30 horas do seu dia.

Curta e compartilhe

One Comment so far:

  1. Parabéns pelo artigo Arno! Concordo com ele.

    Sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *